16/06/08

A magia da bola

A "bola" é, para a maioria dos homens, muito mais do que um jogo em que 22 tipos dão pontapés numa bola.
A "bola" é bem mais do que uma sublimação de instintos bélicos.
A "bola" é tudo isso mas não seria "a bola" se - em ocasiões que começam já a rerear - não fosse também oportunidade para a libertinagem linguística entre amigos, para o reencontro com o 'homo-basicus' que há em todos nós e que anos e anos de instrução académica e social ensinaram a esconder sob camadas de racionalidade e civismo.
Faz falta esse contacto com o palhaço, o bruto, o parvalhão (e, aqui mesmo, neste momento, uma gaja que lesse isto diria: olha-me este...com o parvalhão!...com o parvalhão contacto eu sempre! Pois lá saberás tu da tua vida, minha linda, mas nós os perplexos vivemos com o parvalhão amordaçado. Amordaçadinho. Acredita!).
Como dizia, faz falta.
É por isso que "a bola" é tão importante. Não é lá por causa dos gajos em calções (por nós, a coisa até seria melhorzinha se fossem gajas em fio dental...).

1 comentário:

Patrícia disse...

Gosto da maneira como escreves...