18/07/08

O mito da flexibilidade

Tendo-se feito aqui história, no post anterior, com o desmoronar de um mito, lá se ganha coragem para avançar contra outro - quiçá mais hirto [ :) ] - o do melhorado desempenho sexual das mulheres mais ginasticadas.
É um mito que nos persegue desde a adolescência - avançou paulatino ainda na puberdade, quando passámos tardes e tardes de Verão a ver desempenhos de ginástica e de natação sincronizada nos jogos olímpicos do Misha, e prosperou ano após ano com base em histórias lidas, ouvidas ou simplesmente sonhadas.
É um mito que não necessitou nunca de grandes provas factuais - era só olhar para elas, revirando partes inteiras de corpos firmes [ :) ], torcendo e contorcendo com suavidade, abrindo e fechando articulações...era só olhar bem para elas.


Como é que uma mais roliça e pesadinha podia alguma vez fazer aquilo...enquanto fazia aquilo?
Nem pensar.
Daaasss!
Nunca!
Está bem de ver, as flexíveis é que tinham um imenso potencial. Até tinhamos todos uma piada de bolso sempre pronta a entrar em qualquer conversa - a da tailandesa que cabia numa malinha de mão e podia levar-se para qualquer lado.
Tudo construções em cima de construções.
Apesar dos anos passados e da experiência de cada um o mito lá permance, à maneira da canção do Elton e não há quem lhe faça frente. Nem mesmo um amigo que eu tenho e que tem uma paleta de interesses mais chegada à chicha. Ele bem sabe do que gosta, mas guarda segredo. Guardamos todos. E enquanto isso lá nos mostramos deliciados com as maravilhas do contorcionismo. E lá nos preparamos para mais uns Jogos Olímpicos.

4 comentários:

perplexo5 disse...

Diz quem sabe que faz diferença...

Patrícia disse...

E bem a propósito..eu sou dessas que cabe numa malinha de mão.
Sou "portátil", portanto.
Também porque só tenho 1,60m..
Mas principalmente porque sou 37% Chinesa.
Eu disse que vinha mesmo a propósito...

;)

perplexo5 disse...

A propósito...fica demonstrado que, ao contrário de nós, perplexos, nas mulheres, size doesn´t matter...

Anónimo disse...

E viva a Pat. "Piquena" como a sardinha e meio-chinesa... Ainda há mulheres perfeitas...
(total_perplexo)